Se você tem preconceito com o cinema indiano, chegou a hora de deixar isso de lado e ver alguns filmes feitos do outro lado do mundo que são quase desconhecidos por aqui no Brasil. Pode ser o começo de uma “bela amizade”.

BLACK FRIDAY (2004)

ROTEIRO  Anurag Kashyap baseado no livro de S. Hussain Zaidi

DIREÇÃO  Anurag Kashyap

TRAMA  12 de Março de 1993. Mumbai. Doze explosões em áreas variadas da cidade de Mumbai causam 300 mortos e 800 feridos.  O filme conta a caçada que a polícia vai empreender para prender os terroristas envolvidos nessas explosões e as maneiras pelas quais os terroristas vão tentar fugir ou lidar com suas próprias consciências.

O QUE SURPREENDE  Primeiro, o filme foge do melodrama e adota uma postura distanciada para retratar os momentos posteriores aos atentados ocorridos em Mumbai em 1993. O filme, no entanto, não perde em tensão nem em suspense por causa disso, ao contrário. O ponto de vista alterna entre a polícia e os terroristas, dando ao mesmo tempo a medida de humanidade e de barbárie presente nos agentes da trama. E o diretor não poupa ninguém. Tomando comparação com “Cidade de Deus”, “Cidade” pode ter personagens que inspiram mais empatia, mas “Black Friday” é mais realista no modo como retrata o comportamento de pessoas que vivem no limite em uma sociedade à beira da loucura.

MADRAS CAFE (2013)

ROTEIRO  Somnath Day & Shubendu Bhattacharya

DIREÇÃO  Shoojit Sircar

TRAMA  Um agente da Agência de Inteligência Indiana vai até Sri Lanka para empreender ações que resultem na derrota de um grupo rebelde tâmil. Não só suas ações não dão certo, como se descobre que o grupo terrorista tem planos muito mais ousados que envolvem a morte de um poderoso homem dentro do país. O agente vai tentar impedir que esse atentado aconteça, mas antes terá que descobrir quem é o homem de dentro de seu grupo que está vazando informações para o inimigo.

O QUE SURPREENDE  Ao contrário do “thriller de ação clichê” que as imagens do poster sugerem, em “Madras Cafe” o protagonista se mostra impotente diante das maquinações dos burocratas, da barbárie de uma guerra interna envolvendo guerrilheiros de Tâmil e o estado de Sri Lanka, além de ter que enfrentar a traição de seu próprio pessoal. Não que não tenham cenas de ação, elas existem sim, mas há um certo realismo ao retratar a questão política e o comportamento dos personagens que transforma o filme em algo muito maior.

PEEPLI LIVE (2010)

ROTEIRO  Anusha Rizvi

DIREÇÃO  Anusha Rizvi

TRAMA  Na semana das eleições locais, na vila de Peepli, dois camponeses miseráveis, Natha e Budhia, estão prestes a perder suas terras devido a um empréstimo feito no banco. Sem saber o que fazer, pedem ajuda a um político local, que, zombando dos dois, sugere que ambos se matem para conseguir dinheiro de um programa assistencial do governo que indeniza famílias de fazendeiros que se suicidaram. Natha decide se suicidar e quando um jornalista local ouve isso e a mídia divulga o fato, uma confusão de proporções monstruosas se inicia, já que o governo vai tentar de todo modo resolver o problema político sem resolver o problema social, numa escalada de atos tresloucados, onde o que conta não é melhorar a situação do povo e sim conseguir pontos de audiência para ganhar a eleição.

O QUE SURPREENDE  Sátira feroz aos programas assistencialistas do governo indiano, à mídia sensacionalista e ao povo indiano que assiste seu próprio ocaso passivamente. O protagonista, que tem pouquíssimas falas, é genial por ser passivo ao extremo, um elemento extremamente original do filme.

SHAHID (2012)

ROTEIRO  Sameer Gautam Singh com roteiro adicional de Apurva Asrani e Hansal Mehta

DIREÇÃO  Hansal Mehta

TRAMA  Shahid é baseado na história real do ativista de Direitos Humanos Shahid Azmi, morto em seu próprio escritório por pessoas que ainda hoje não foram identificadas. O filme descreve desde sua tentativa abortada de se tornar um terrorista, passando pelo momento em que ele é preso devido a uma lei anti-terrorismo extremamente questionável até ele se tornar um advogado e defensor dos Direitos Humanos (particularmente de muçulmanos injustamente acusados de terrorismo).

O QUE SURPREENDE  Um drama que poderia ser um “mar de lágrimas” é conduzido com sutileza, sem alarde, nem sensacionalismo, tornando-se realmente poderoso no decorrer de suas duas horas. Nem no final, o diretor se rende a um clímax desnecessário. Por isso surpreende.

LAGAAN (2001)

ROTEIRO  Ashutosh Gowariker

DIREÇÃO  Ashutosh Gowariker

TRAMA  Índia, 1893. A vila de Champaner, assim como algumas vilas vizinhas, estão sob o domínio de um acampamento Britânico comandado pelo Capitão Russell, homem arrogante e caprichoso. Quando os moradores de Champaner não conseguem pagar o imposto injusto que lhes é constantemente cobrado, o Capitão sugere um desafio. Um jogo de cricket que vai decidir o destino das vila. Se os indianos vencerem, passarão três anos sem pagar o imposto, mas se perderem pagarão o triplo. Bhuvan, um dos camponeses, acredita que é um desafio no qual vale a pena arriscar seu futuro. O problema vai ser treinar um time que seja capaz de derrotar os ingleses.

O QUE SURPREENDE  Lagaan é um filme com todos os ingredientes do típico filme de Bollywood: o protagonista é um ator famosíssimo, há cenas de dança e canto, a história é do tipo “hei de vencer” e no final as coisas acabam bem. Só tem uma diferença, não há excessos nessa mistura e por isso o filme é muito bom. Foi indicado para o Oscar de filme estrangeiro.

3 IDIOTS (2009)

ROTEIRO  Rajkumar Hirani & Abhijit Joshi com Vidhu Vinod Chopra (associate screenplay)

DIREÇÃO  Rajkumar Hirani

TRAMA  Farhan Qureshi e Raju Rastogi, apesar de formados há dez anos, nunca mais viram e nem esqueceram de Rancho Chanchad, um outro estudante com o qual conviveram na universidade e que teve uma importância fundamental em suas vidas. Ao encontrarem com Chatur Ramalingam, um desafeto de Rancho que fez uma aposta com ele há dez anos e quer agora encontrá-lo de qualquer jeito, os três empreendem uma jornada onde não só eles vão reencontrar o amigo, mas também vão relembrar o porquê dele ser tão importante para suas vidas.

O QUE SURPREENDE  Esse é um filme para quem não tem medo de ser feliz e não se importa com um protagonista que em dados momentos abusa das caretas que o seu rosto pode produzir. O que surpreende é o roteiro extremamente redondo e o fato de que por trás de todas as piadas e momentos melodramáticos do filme exista algo real e tocante: a opressão de uma sociedade que obriga o ser humano a “ser feliz” de uma única maneira, desacreditando quem busca alternativas. O filme faz isso sem se tornar didático e sem proferir nenhum sermão, não deixando nunca de ser leve e despretensioso. Não acho que seja pouca coisa para uma comédia.

Conhece algum bom filme indiano? Então não se faça de rogado e faça sua indicação nos comentários!

Anúncios