Vários filmes na História do Cinema tratam desse tema da “Volta no Tempo”. Aqui coloco predominantemente comédias.

De Volta para o Futuro (1985)

     Você provavelmente já conhece a história: Marty McFly volta no tempo sem querer em um DeLorean turbinado pelo cientista Dr. Brown. Volta para 1955, época em que seus pais eram jovens. Sua mãe, sem saber a real identidade de Marty, fica atraída por ele. E isso faz com que todo o presente dele de 1985 esteja a um fio de desaparecer. Para fazer tudo voltar ao normal, ele precisa ajudar seu pai a ultrapassar suas limitações e conquistar sua mãe.

     Talvez, hoje em dia, quando se fala de viagem no tempo,esse seja o filme mais lembrado. E com razão. O diretor Zemeckis deu uma nova roupagem para um tema que, por muito tempo, ficou limitado a abordagens mais sérias, puxadas para a ficção científica pura. Aqui, há uma mistura de aventura, comédia e sci-fi que tornou o filme um marco e um dos filmes mais emblemáticos dos anos 80.

Bill e Ted – Uma Aventura Fantástica (1989)

     Bill e Ted são dois adolescentes de escassa inteligência, portadores de um sonho: formarem uma banda de rock chamada “Wyld Stallyns”. Como a carreira escolar dos dois está à beira do abismo, o pai de Ted tenciona mandar seu filho para a Escola Militar se ele não tirar uma boa nota no próximo trabalho escolar que apresentar. Nisso, um homem do futuro chamado Rufus aparece para ajudá-los a passar de ano.

     Os dois usam uma cabine telefônica para viajar no tempo e arrebanhar figuras históricas que os ajudarão a passar nesse trabalho de História. E para quê, afinal de contas? Se Bill e Ted passarem de ano, poderão continuar juntos. Porra, que história é essa? O que posso dizer? Antes de fazer Matrix, Keanu aparece aqui quase usando fraldas de tão jovem. Alguma coisa nesse filme pode ser categorizada como “é muito anos 80”. E, para alguns, isso é sinônimo de diversão.

O Feitiço do Tempo (1993)

     Outro filme que se tornou referência em torno de “viagem no tempo”. Escrito e dirigido por Harold Ramis (um dos “caça-fantasmas”), partiu de uma premissa que não era nova, mas que, ao ser colocada em um contexto explicitamente cômico e, através da interpretação de Bill Murray, foi revitalizada. Bill interpreta Phil, um “homem do tempo” que é mandado para cobrir o dia da marmota, onde basicamente, as pessoas se reúnem para ver a marmota sair de um buraco, anunciando a primavera.

     Sim, isso é meio estúpido, e Phil sabe disso, mas o seu mau-humor parece afastar toda e qualquer pessoa dele, inclusive uma mulher chamada Rita, por quem ele tem uma quedinha. O pesadelo se acentua quando Phil dorme no final do dia e, para sua surpresa, descobre, quando acorda, que voltou um dia no passado, para ver, novamente, a marmota sair do buraco. No processo de conseguir resolver o problema do tempo, ele descobre que pode tornar a sua vida (e a dos outros) mais agradável também.

A Ressaca (2010)

     Adam foi largado pela namorada, Nick tem um péssimo trabalho e uma esposa infiel e Lou é um alcoólatra suicida. Os três mais Jacob, sobrinho de Adam, viajam para uma pousada de inverno, que muito antigamente era o antigo quartel general da trupe. À noite eles bebem muito, mergulhados dentro de uma jacuzzi. E, por incrível que pareça, os 3 amigos voltam ao ano de 1986, numa noite decisiva para todos eles.

     Talvez, eles pensam, se fizerem tudo da mesma forma como foi feito naquela noite na década de 80, vão voltar para o futuro como se nada tivesse acontecido. Mas isso é muito mais difícil do que eles imaginam. Afinal de contas, não é melhor fazer diferente e tentar levar uma vida nova? A vida de nenhum deles é uma maravilha. O problema é que Jacob, com isso, pode nem nascer. Aí você vai me perguntar, por que eu tenho que ver esse filme? Resposta: uma jacuzzi que faz você viajar no tempo merece uma chance.

Meia-Noite em Paris (2011)

     De férias em Paris, junto com a família de sua noiva, um roteirista volta para os anos 20 toda vez que dá meia-noite. Ele e sua noiva têm visões muito diferentes do que é se divertir. Ela gosta de sair e dançar, no presente. Ele gosta de andar pelas ruas de Paris e se encontrar com pessoas que não mais existem, na década de 20. Eis uma comédia cheia de nostalgia pelo que não vivemos e por aquilo que nem era como agora imaginamos.

     Cole Porter, Salvador Dali, Pablo Picasso, F. Scott Fitzgerald, Gertrude Stein, Alice B. Toklas, Ernest Hemingway e companhia limitada. É uma reunião de “nomes consagrados” da arte ocidental, perdidos nesse mundo onírico. Foi talvez o filme de Woody Allen mais incensado pela crítica e pelo público nos últimos tempos. Apesar de não ter a energia dos velhos tempos, pode fazer você sorrir sem querer.

     Conhece mais uma comédia que tenha jogado seus personagens de volta no tempo? Deixe o nome do filme nos comentários!

 

Anúncios